O bullet journal e a sua saúde mental: um caso de amor verdadeiro

Desde que o bullet journal entrou na minha vida, eu tenho me dedicado a apresentar esse método de organização para o máximo de pessoas possíveis, seja mostrando o meu, seja escrevendo aqui no blog sobre ele 🙂

Aqui nós já falamos sobre o básico (o que é, como começar) e sobre como deixar o bujo o mais parecido com você possível sem precisar se esforçar muito pra isso.

Uma das coisas mais mágicas do bullet journal não é, entretanto, a possibilidade de organizar sua vida profissional ou estudantil, colocando suas tarefas numa disposição fácil de enxergar e se motivar cada vez que “tica” uma tarefa que você conseguiu completar, mas sim a possibilidade de organizar todas as áreas da sua vida, especialmente as que dizem respeito a sua saúde mental.

Então esse post da ~série~ tem 3 dicas e exemplos pra você construir seu bullet journal do bem.

1. Enriqueça seu habit-tracker

Um habit tracker é normalmente usado pra marcar coisas simples na primeira página de cada mês, como dinheiro gasto no dia, começos de ciclo menstrual, datas de pagamento importante, mas algumas pessoas usam para trackear outras coisas.

Essa página, por exemplo, tem caixinhas para a pessoa ticar quando fizer alguma coisa pra ela mesma, quando se sentir estressada com algo, ou quando se sentir com vários tipos de humor. A legenda em cada quadradinho é opcional, mas você pode por exemplo estabelecer que um triângulo se refere a um dia que você vai escrever melhor sobre na página seguinte:

Se sentiu irritada ou ansiosa com alguma coisa? Use algumas linhas para escrever porque você se sentiu assim e colocar esse sentimento pra fora. Entender melhor o que o causou e como você pode fazer com que isso pare um pouco de te afetar.

Mas às vezes a gente não consegue pensar em como colocar pra fora esses sentimento, então seguem algumas frases que você pode usar pra começar:

– Algo inesperado que aconteceu hoje foi…
– Eu não gosto de estar me sentindo (x) sobre (y) porque…
– Um pensamento incrível que eu tive hoje foi…
– O que eu gostaria de ter feito diferente hoje…
– Um pensamento que eu não consegui largar hoje foi…
– Uma pessoa que não sai da minha cabeça hoje é…
– Hoje eu me senti agradecida por…

2. Use seu BuJo para saber quantas horas por dia você tá dormindo

Dormir é muito importante, mas ao mesmo muito perigoso. Separar uma página por mês ou uma box por semana para registrar essas horas pode ser a diferença entre saber se você precisa de mais soninho pois está se sentindo muito cansada ou perceber que você está dormindo demais e precisar consultar um médico.

3. Faça umas listas de self-care, ~o seu próprio self-care~

A gente vive numa época da internet onde tudo é self-care e self-love, e nem sempre é. Eu não sei vocês, mas, embora eu me sinta extremamente relaxada com um longo banho, não é sempre que eu tenho paciência de programar esses horários só pra mim e acabo deixando pra lá.

Tudo isso pra dizer que: o que é self-care pra mim pode não ser self-care pra você, e às vezes a única coisa que você precisa pra se sentir bem não é necessariamente um banho relaxante mas sim duas horinhas assistindo um filme que você quer muito. Abra o catálogo da Netflix, puxe os DVDs escondidos pela sua casa e comece a lista:

É uma pessoa de livros? Porque não colocar isso no papel também? 🙂

Se presenteie com um (ou mais, quem queremos enganar?) episódio de série!

Fontes: Buzzfeed (1), (2), (3)

Repaint Hate: transformando mensagens de ódio em positividade!

cropped-header

Infelizmente, existe muito ódio no mundo. Mas, felizmente, existe muito mais amor e gente disposta a distribui-lo, diminuindo o ódio que existe por aí. Olivia Trimble (de Arkansas, EUA), é uma dessas pessoas.

Um dia, ela acordou e descobriu que alguém tinha vandalizado um prédio próximo da biblioteca – um local bastante frequentado – com uma mensagem preconceituosa e ofensiva. Inconformada, ela pegou suas tintas e saiu em uma missão. “Sem pensar, sem ter nada em mente, eu só pulei da cama, coloquei uma roupa, peguei algumas tintas que tinha em mãos, corri lá e cobri aquilo o mais rápido possível”, disse Olivia.

15055612_1034569279999431_8748252287151188367_n
Substituiu as palavras de ódio por “O amor sempre vence”, e ali começou seu projeto Repaint Hate (repintando o ódio). Ela postou o resultado final em seu perfil do Facebook e se ofereceu para fazer o mesmo por aí, em lugares que pudessem ter outras mensagens com discurso de ódio.

A ideia se espalhou pelos Estados Unidos, e muitas pessoas também se ofereceram para fazer o mesmo em suas cidades natais. Em Fayetteville, a cidade em que Olivia mora, dois murais já foram doados para que ela registrasse mensagens de positividade. O intuito é que as pessoas se inspirem a agir para o bem.

3065716-inline-6-these-artists-are-starting-a-movement-to-cover-hate-speech

15025601_1038052309651128_701785093117281538_o

“Quando você cruzar com um discurso de ódio, pegue um pincel e faça arte”, diz a fanpage do Facebook. “Eu quero que as pessoas se sintam empoderadas, e quando elas virem algo acontecendo, tomem uma atitude para mudar a situação de forma positiva”, complementa a jovem.

via.

 

O outono mágico da Hannah McComb

Uma das coisas que mais gosto quando acompanho o trabalho de um artista é ver e progressão do traço e estilo com o passar do tempo (mesmo quando nem conheço a pessoa, sinto um orgulhinho de ver a evolução, muito #mãeorgulhosa). Acho que sou suspeita para falar, porque acompanhei o progresso da Hannah McComb de perto –sigo ela no Twitter! – e, desde o começo, admiro suas ilustrações.

Captura de Tela 2017-01-20 às 22.17.32

A Hannah mora em São Paulo, é ilustradora freelance e ama muito (muito) animais, a natureza e coisinhas mágicas. Como ela mesma define na sua fanpage, seu trabalho é “aquarelar o outono”.

15192562_344657525906283_6625990551977960656_n
Ilustração em homenagem à cadela Laika, primeiro ser vivo terrestre a orbitar nosso planeta.

Os desenhos dão preferência tons terrosos/verdes/amarelados, e sempre trazem animais encantados e mocinhas que saíram da floresta (ou que vivem lá!), e também referências de cultura pop como Harry Potter, Game of Thrones, Pokémon. É tudo muito fofo e delicado, seja na aquarela ou nas pinturas digitais, ela tá sempre experimentando algo novo!

Captura de Tela 2017-01-20 às 22.16.29 Captura de Tela 2017-01-20 às 22.16.00

Eu amo muito essas duas ilustrações que misturam foto e objetos reais com desenhos!

15941266_371938256511543_388026320092645966_nCaptura de Tela 2017-01-20 às 22.26.56Captura de Tela 2017-01-20 às 22.27.46 Captura de Tela 2017-01-20 às 22.26.29 Captura de Tela 2017-01-20 às 22.26.01 Captura de Tela 2017-01-20 às 22.24.58 Captura de Tela 2017-01-20 às 22.23.10

Mal dá para acreditar que foi em abril do ano passado que a Hannah decidiu levar a sério esse negócio de ilustração e sair desenhando lindezas por aí! O traço dela cresceu tanto e não consigo deixar de me identificar com essas bruxinhas simpáticas que são jardineiras, guardiãs da floresta e cuidam até de Pokémons.

Para acompanhar o trabalho da Hannah você pode seguir no Instagramno Facebook e conferir a lojinha dela no Colab55.