Como se recuperar após o fim da temporada de Game of Thrones


Acordar nesse dia 27 de junho não foi fácil. Ok, não é fácil acordar em nenhuma segunda feira, mas hoje foi particularmente difícil. O inverno chegou – e quando eu digo inverno, quero dizer o tempo longo até março de 2017 em que não teremos Game of Thrones para alegrar nossos domingos. Ontem vimos um episódio incrível que fechou uma temporada incrível – e ficamos com uma incrível ressaca, imaginando como vamos sobreviver sem vermos a chegada daqueles barcos ou a DR de Jaime e Cersei ou a revelação do segredo familiar de Bran e Jon até o ano que vem.

Mas o que podemos fazer com essa hora livre que temos agora durante cada domingo? O que podemos fazer para preencher o buraco que Game of Thrones deixou nas nossas vidas? Para aplacar esse vazio? Temos algumas sugestões.

Leia a série de livros! (ou outras séries de fantasia)

Não dá pra reclamar de tédio no universo Game of Thrones se você ainda não encarou as milhares de páginas dos livros de George R.R. Martin. Você pode achar que é trabalho inútil, afinal você já conhece a história, mas você não conhece a história dessa maneira – detalhada, com destaque para outros personagens, descrições na voz dos seus favoritos, e quase que aulas de geografia, história e política de Westeros. Mas digamos que você já é um dos fãs que leu tudo e viu tudo de Game of thrones – que tal desbravar outro mundo de fantasia? Dentre as séries mais famosas que você pode encarar nos próximos meses temos Senhor dos Anéis, Harry Potter e As crônicas de Nárnia. Se preferir um clima mais realista, o escritor Bernard Cornwell conta a história da Europa medieval como um enorme Game of Thrones!

Veja filmes que incluem membros do elenco de Game of Thrones

Se as saudades maiores vão ser dos atores, você tem também a opção de seguir a carreira deles no cinema. Vários estão em cartaz no momento nas telonas e nos serviços de aluguel de filmes, como Emilia Clarke na comédia romântica Como eu era antes de você e Sophie Turner em X-Men Apocalipse.

Comece a ver aquela série antiga que você sempre adiou

Aplicativos como Netflix e HBO Go estão cheios de clássicos da TV que você provavelmente ainda não viu. A HBO apenas chegou no nível de expertise necessário para fazer Game of Thrones pois construiu um portfólio brilhante de séries, com obras primas como Os Sopranos e A Sete Palmos. Se você engavetou alguma série por falta de tempo, a hora de adotá-la é agora!

Conta pra gente: o que você vai fazer nesse 1 ano de espera? Deixa nos comentários!

Quatro filmes para sentir saudades de Anton Yelchin

No último fim de semana o mundo perdeu um dos seus jovens atores mais promissores. O russo Anton Yelchin faleceu aos 27 anos, se juntando a uma longa lista de celebridades que perderam suas vidas nessa idade. A morte de Yelchin se destaca, porém, dentre o “clube dos 27”, pois sua causa não foi overdose ou suicídio. Anton foi atropelado por seu próprio carro em um acidente devido a defeitos de fábrica. Trágico e completamente inesperado.

Muitos conhecem Yelchin por seu trabalho em “blockbusters”, filmes gigantescos, como a franquia Star Trek – Jornada nas estrelas, A hora do espanto e Exterminador do Futuro. Mas aqui no Indiretas queremos celebrar as pequenas conquistas de Yelchin e alimentar a nossa já existente saudade, então que tal uma pequena maratona de quatro filmes imperdíveis em homenagem ao ator?

Lembranças de um verão

Anton começou a sua carreira, de verdade, bem novinho e já contracenando com a lenda Anthony Hopkins em um filme adaptado de um livro do mestre do horror, Stephen King. Mas Lembranças de um verão não dá medo, apenas nostalgia e encanto, mostrando o crescimento de uma criança e seu primeiro amor em um contexto bem diferente do já comum em Hollywood. Tudo parece uma lenda contada na beirada da fogueira.

Charlie, Um Grande Garoto

Charlie Bartlett deveria ser um clássico. Esse filme é quase uma versão anos 2000 de Curtindo a vida adoidado, e traz não só a melhor atuação de Yelchin como também momentos de brilho de Kat Dennings, estrela de 2 Broke Girls e coadjuvante de Thor. Um filme adolescente muito inteligente, irônico e divertidíssimo.

Loucamente Apaixonados

Se você está cuidando de um coração partido, não veja esse filme. Uma das histórias de amor mais sofridas e melancólicas do cinema recente provou que Anton tinha enorme talento dramático, e catapultou a carreira de Felicity Jones, que hoje vemos em filmes premiados como A Teoria de Tudo e arrasa-quarteirões como Star Wars Rogue One.

Amantes eternos

Acho que eu não preciso convencer vocês a ver um filme que, além de Yelchin, conta com Tom “Loki” Hiddleston, Tilda Swinton e Mia Wasikowska no elenco. Preciso? E se eu falar que o filme é sobre vampiros? E sobre rock ‘n’ roll? Acho que você já entendeu que esse aqui é imperdível.

Assistimos a Procurando Dory – e você precisa ver!


Encontramos Dory! E também encontramos Nemo. Bem, passamos essa bela manhã de terça em companhia desses peixes que tanto amamos, assistindo à sequência do hit da Pixar, Procurando Nemo, chamada Procurando Dory. E se você está procurando um motivo para ver Procurando Dory, pode cancelar a busca: temos milhares de motivos para apresentar a vocês.

Existem graus diferentes de entusiasmo com filmes bons. Alguns nos deixam moderadamente felizes, alguns nos fazem recomendar com ressalvas, outros nos fazem sair do cinema já planejando o dia em que você vai levar os seus amigos e rever. Procurando Dory é parte desse último grupo para mim – eu admito, porém, que eu sou uma fã doente de Procurando Nemo e de praticamente tudo que a Pixar já fez. Eu tinha medo dessa sequência, que poderia ser boa como Toy Story 2, apenas ok como Universidade Monstros ou ruim como Carros 2. Na verdade, não. É melhor que tudo isso aí. Só perde para Toy Story 3 no mundo das sequências animadas da Pixar.

Mesmo com todo meu entusiasmo você ainda não foi convencido? Então vamos lá: eis os motivos pelos quais você deve ver Procurando Dory assim que chegar aos cinemas brasileiros.

É uma expansão dos mesmos temas do primeiro

A franquia Nemo continua girando ao redor de dois temas: a importância da família, seja aquela que vem com seu sangue, seja a que você escolhe, e o triunfo e a reabilitação de criaturas com peculiaridades ou deficiências. Os dois temas voltam com força total. Nesse filme Dory parte em busca de sua família e de sua memória, e encontra um novo amigo que precisa recuperar a sua coragem e saúde emocional após perder um membro em um acidente.

 

Os novos personagens são incríveis

Procurando Nemo tinha os melhores coadjuvantes e a sequência não poderia ser diferente. Sai Bruce o tubarão que não come peixes e entra Destiny a baleia míope. Sai Gill do aquário, entra Hank, o polvo de sete pernas com crise de pânico. Becky (with the good hair) e Geraldo roubam a cena toda vez que aparecem. Até mesmo uma ostra que aparece por menos de cinco minutos chama a atenção com seu drama romântico digno de novela mexicana. São inesquecíveis – até mesmo para nossa amada protagonista desmemoriada.

Visualmente, é de babar

Eu não sei, sinceramente, como a Pixar faz um mar tão perfeito, cores tão vivas, uma iluminação tão impecável. Em Procurando Dory o desafio dos animadores é ainda maior, pois visitamos mais vezes o mundo da superfície e vemos o exterior da água, suas ondas e jatos. As criaturas novas não ficam muito atrás, e a Dory bebê? Bem, ela é um capítulo à parte.

Tem um curta lindinho lhe acompanhando

Mas isso não é novidade nenhuma, né? Piper conta a história de um pássaro que se alimenta de conchas – mas tem medo do mar! Ele é adorável, daqueles que dão vontade de colocar na estante.