Seu corpo precisa de atenção: sintomas e causas da neuropatia

Cuidar da nossa saúde deveria ser sempre uma prioridade, mas a gente sabe que nem sempre isso acontece. Eu mesma sou a rainha de deixar a saúde de lado, me enrolo com trabalho, com as coisas de casa, lavar roupa, fazer comida, cuidar dos meus gatos…Quando eu vou ver, já cuidei de tudo, menos da minha saúde. E quando falo de cuidados com nosso corpo, não é só comer direitinho e passar protetor solar, viu? Vai muito além disso! Já parou pra pensar que nossos nervos também precisam de cuidados?

Tenho certeza que muita gente nunca pensou nisso, mas manter os nervos saudáveis é essencial para a saúde do nosso corpo. É o sistema nervoso que nos permite perceber, compreender e responder ao mundo ao nosso redor, então aprender mais sobre ele faz você entender como as sensações estão conectadas com os nervos. Quanto mais você sabe, mais você pode protegê-los e mantê-los saudáveis.

Pensando nisso a Merck, empresa alemã de ciência e tecnologia mais antiga do mundo, é embaixadora da Escute Seus Nervos, uma campanha bem importante de conscientização da neuropatia no Brasil e no mundo. Muita pessoas têm sintomas de tique, formigamento e dormência, mas não pensam em procurar um médico para checar e acabam se acostumando a viver com eles. Esses sintomas podem ser indícios de neuropatia e, por isso, é muito importante procurar um especialista.

Quem pode sofrer de neuropatia?

Homens e mulheres com mais de 40 anos e pertencentes aos principais grupos de risco:

  • Idosos
  • Fumantes
  • Alcoólatras
  • Diabéticos
  • Pessoas com deficiência de vitamina B

Além do grupo de risco é preciso ficar sempre atento à nossa saúde e os cuidados com nosso corpo. Existem outras dezenas de grupos que, sujeitos a outras condições de saúde, podem aumentar o risco de distúrbios nos nervos. Por isso, separamos algumas dicas importantes para você cuidar um pouquinho mais da sua saúde.

Três passos para tomar mais cuidados com o nosso corpo:

Aprender a escutá-lo

Você já apresentou algum desses sintomas?

Quando algo não está certo, nosso corpo manda sinais que muitas vezes acabamos ignorando. Você pode não ter consciência de que simples desconfortos no corpo, como formigamento ou dormência, podem ser um sinal de que o seu sistema nervoso pode estar comprometido.

Todos estes sintomas de comprometimento do nervo tendem a ser mais graves em repouso, especialmente à tarde ou à noite, e, portanto, atrapalham o sono. Se um ou mais sintomas estão presentes e são persistentes, visite seu médico.

Conheça seus nervos e cada pedacinho deles

Conhecer mais o seu corpo ajuda a identificar os sintomas de neuropatia com mais facilidade. Por exemplo, quantas vezes você sentiu dormência no braço ou formigamento nas mãos ou pés? Sim, é algo que podemos sentir pelo menos uma vez na vida, mas se for algo frequente é preciso ficar atento e ir ao médico.

Muitas vezes a gente acaba deixando esses sinais de lado por conta do cansaço da rotina, mas quanto antes diagnosticarmos a neuropatia, mais efetivo pode ser o seu tratamento graças à capacidade dos nervos em se regenerarem.

Seu corpo, seu templo

Você não precisa ter apresentado lesões nos nervos para começar a cuidar deles. O fato é que, se você faz parte de um grupo de risco, você deve começar antes mesmo de sentir os sintomas. Mesmo quando o comprometimento do nervo é diagnosticado, existem algumas dicas simples que você pode considerar junto com as recomendações do seu médico:

Evite movimentos repetitivos e manter a postura curvada

Se você trabalha sentado por muito tempo, tente se levantar de vez em quando para esticar as pernas e os braços durante alguns minutos. Além de ajudar em pausas para o seu trabalho render melhor, você trabalha as articulações e nervos.

Exercite-se regularmente

Você pode escolher entre caminhar ao invés de dirigir, passear com seu dog, se exercitar com os amigos, sair para dançar… Seu humor e sua saúde serão positivamente impactados.

Cheque seus níveis de vitamina B regularmente

Todas as vitaminas B neurotrópicas são essenciais para a manutenção da saúde dos nervos. Se você é vegetariano, vegano ou segue alguma dieta restritiva que pode desencadear deficiência de vitaminas, cheque-as regularmente. Pergunte ao seu médico se você precisa de alguma suplementação ou adaptar a dieta para garantir a saúde dos nervos.

Cuide da sua saúde e também de seus pais e familiares! Muitas vezes é até mais fácil identificar sintomas de neuropatia em outras pessoas, como um tique, por exemplo.

Se você apresenta qualquer sintoma que comentamos aqui, ou conhece alguém que apresente, procure seu médico, só ele poderá te passar um diagnóstico completo e preciso. Seu médico é seu melhor amigo nessas horas, não tenha medo de conversar com ele 🙂

O site do Escute Seus Nervos da Merck é super completo e fácil de consultar mais detalhes sobre a neuropatia. Olha só: https://www.escuteseusnervos.com.br

BRA-NEU-1706- 0059 / Agosto 2017

O que esperar do primeiro episódio de Os Defensores

Os Defensores é uma das séries mais aguardadas por quem ama super-heróis! A união de Jessica Jones, Demolidor, Punho de Ferro e Luke Cage na Netflix já vem sendo comentada há muito tempo e finalmente a estreia está bem pertinho: dia 18 de agosto todos os episódios estarão disponíveis pra gente maratonar feliz debaixo das cobertas.

Pra quem não conhece, Os Defensores é uma série da Marvel com a Netflix que une os personagens já introduzidos em suas respectivas séries: Jessica Jones, Luke Cage, Punho de Ferro e Demolidor, agora juntos unindo forças para combater o crime em Nova York no famoso estilo “se juntas já causa, imagina juntas”.

Assisti ao primeiro episódio semana passada, toda chique num cinema daqui de São Paulo (obrigada, Netflix!) e quero compartilhar com vocês algumas das minhas primeiras impressões sobre a série.

É bom avisar que esse post NÃO CONTÉM SPOILERS. Pode ler com o coração aberto!

Dá pra assistir Os Defensores sem ter visto as outras séries

Uma das coisas que mais preocupam quem quer começar a série é: posso assistir Os Defensores sem ter visto Jessica Jones, Luke Cage, Punho de Ferro e Demolidor? Na minha opinião sim, é super possível!

Principalmente nesse primeiro episódio, a série te ajuda a entender o rumo da historia sem você necessariamente ter assistido – ou não lembre direito de todos os acontecimentos das outras séries da franquia. Eu mesma não assisti todas e consegui entender o episódio numa boa.

Claro, se você assistir as séries é ótimo, afinal, Os Defensores é cheio de referências que você entende muito mais se já conhece todo o contexto.

Cada série um contexto diferente


Uma coisa eu adorei é que o mood de Os Defensores muda de acordo com o personagem e o mood das suas próprias séries: você se sente dentro de Jessica Jones, Punho de Ferro e todos os outros, só deles aparecerem em cena.

A trilha sonora, direção de arte, fotografia, estilo do roteiro, tudo muda quando os personagens são apresentados oficialmente à série.

A maior vilã que você respeita

Na Comic Con de San Diego desse ano, a Netflix já havia anunciado que a vilã de Os Defensores seria Alexandra, vivida pela maravilhosa Sigourney Weaver.

Não quero contar muito pra não estragar a experiência de ninguém, mas nesse primeiro episódio a gente já sente o quanto vamos amar odiar a Alexandra. Sigourney Weaver dá um tom incrível a personagem: dura, obstinada e prontinha pra transformar Nova York num verdadeiro caos!

Os coadjuvantes continuam aqui


Pra quem assistiu tudo e adorou as outras séries, uma boa notícia: os personagens coadjuvantes também tem presença garantida em Os Defensores.

Tecnicamente, eles ajudam a contextualizar cada personagem, mas no nosso coração eles estão ali pra trazer aquele sentimento bom de reencontrar velhos amigos que só a sua série favorita pode te trazer.

Manda maratona


Primeiros episódios são, por natureza, episódios-introdução, para apresentar a série e mostrar os próximos passos da trama como um todo. Em Os Defensores isso é ainda mais claro, principalmente porque a série precisa unir universos super diferentes dentro de um só e tornar a coisa toda coesa.

No fim das contas eu saí com um gostinho de “já dá o play no próximo, vai!” e senti que a série promete ser tão incrível quanto as outras. Minha aposta é que a Jessica Jones vai roubar toda a cena, pode esperar!

Os Defensores estreia oficialmente dia 18 de agosto na Netflix.

E se eu não for boa em nada?

pexels-photo-426893

Minha auto-estima sempre foi inexistente, quer dizer, pelo menos em 80% da minha vida.

Eu nunca fui gordinha demais, nem magrinha demais, nem extrovertida demais. Sempre fui a típica menina tímida do colégio que era legal, tinha poucos e bons amigos mas nunca me sobressaí realmente em nada – o que era um tanto quanto proposital por ser esse poço de timidez que eu sempre fui. Uma vez a classe votou para os noivinhos da festa junina e me escolheram como a noivinha da minha classe. Eu tive tanta vergonha de ser o centro das atenções que cheguei em casa chorando, contei pra minha mãe, frustrada por não poder costurar um vestido de noiva pra filha, e contei pra professora que desisti porque tinha vergonha (???).

Em graus diferentes de exposição e vestidos, esse tipo de situação continuou acontecendo comigo ao longo da vida: quantas oportunidades legais eu já perdi por vergonha? Vergonha do quê exatamente eu não sei dizer, era só timidez e a alegria de ficar no meu mundinho entre livros e seriados aonde ninguém iria me incomodar e nada poderia dar errado. Um dia me perguntaram quais eram as minhas maiores qualidades e eu não soube bem responder – foi aí que eu percebi que eu tinha um problema. Eu tinha tanta vergonha de viver e fazer algo diferente que isso me frustrava.  No fundo, eu queria mais.

Com o tempo eu comecei a perceber algo que mudou totalmente minha visão sobre as coisas: ninguém se importava comigo na intensidade que eu me preocupava comigo mesma. Eu passava tanto tempo me preocupando com o mundo externo, mesmo que inconscientemente, que acabava me deixando de lado no processo. Percebi que a opinião dos outros não tinha tanto valor, mas sim a opinião de quem eu realmente amava e acima de tudo, AS MINHAS PRÓPRIAS ESCOLHAS eram aquelas que faziam a diferença. Sejamos sinceros, a vida é igual a um episódio de RuPaul Drag Race: você até pode consultar os jurados, mas no fim das contas só a opinião da RuPaul vale na eliminação final.

Foi então que eu decidi criar um trato comigo mesma e parar de dizer não para as coisas, seja por vergonha ou por achar que não consigo e, quanto mais eu colocava esse trato em prática, mais eu me sentia leve e me permitia aos pouquinhos, ser eu mesma.

A verdade não é que eu não era boa em nada, eu só não me permitia ser realmente boa em alguma coisa por medo de falhar. E quando eu digo “boa” eu digo comprometida o suficiente com algo, ser apaixonada por algo. Ninguém é perfeito e ninguém é 100% incrível em nada – é prática, é persistência. Quando você percebe aonde você é boa e fica feliz fazendo aquilo, tudo flui naturalmente! E aí meus queridos, não tem vergonha nenhuma que vá te segurar.