Brooklyn e a experiência de sair da casa dos pais

Assistir a um filme que representa tudo o que você está vivendo é uma experiência igualmente deliciosa e dolorosa. Identificação, quando acontece, acontece em todas as nuances – nos bons e maus momentos, nas qualidades e defeitos. Eu não sou uma garota do século XIX migrando do meu país natal para “o novo mundo” em busca de sobrevivência, mas para se identificar com Eilis, a protagonista do filme indicado ao Oscar 2016 Brooklyn, você só precisa estar em uma transição – saindo da casa dos pais, mudando de cidade, de estado, de país, de continente, tudo vale.

Aí você me pergunta: onde Brooklyn acerta em cheio na experiência de sair de casa pela primeira vez? Bem, sobre isso eu tenho toda a propriedade para falar no momento.

1. É assustador e tudo pode dar errado

Ainda no barco que a leva para a América, Eilis passa mal, dorme em um quarto mínimo, vive uma tempestade e discute com as colegas de quarto. Isso é apenas um trailer do que pode acontecer com você enquanto você busca trabalho, abrigo e tenta se orientar corretamente em uma cidade que não é a sua. Você vai, eu lhe garanto, ficar perdido tentar fazer algo simples como ir na padaria. Você vai fazer amigos seus te acompanharem indo para o rolê pois você não conhece o bairro. E em alguns dias você vai pensar que era tudo mais confortável e seguro no ninho dos seus pais… (continua no próximo item)

2. É libertador e você descobre que tudo que pode dar errado, você consegue consertar

…mas em 99% do tempo você vai discordar profundamente disso. A cada desafio que você conquistar, a sua sensação de independência e liberdade vai aumentar. Você vai descobrir que você é sim capaz de cuidar de si próprio, de limpar, de cozinhar, de enfrentar perrengues.

3. Você se vira com uma ajuda dos amigos (Olá, Beatles) e conhece novas pessoas

Assim que Eilis parte para a América, recebe conselhos de uma veterana do local que salva sua vida. Em um lugar novo e sem a muleta dos pais, você começa a perceber que sim – você depende de outras pessoas – e essas pessoas serão, para você, seus amigos. Além disso, você vai conhecer pessoas que estão na mesma situação que você – descobrindo um novo mundo, abertas, buscando novos amigos. Ah, e Eilis conhece até mesmo mais do que um amigo por lá…

4. Saudades existem

Você sentirá saudades. Às vezes ela chegam na forma de pessoas, seus pais, sua família, amigos de infância. Às vezes as saudades são da paisagem da sua velha cidade, do clima, de um espaço que você sempre frequentou.

5. Quando você volta, você não volta igual

Nas visitas futuras à sua cidade natal, você perceberá que você não é mais o mesmo – e os outros também perceberão. Prepare-se para contar muitas histórias para curiosos e ser o centro das atenções.

6. Você só se conhecerá realmente quando fizer isso

Assim como Eilis, você descobre suas verdadeiras cores, novos sabores e todo um novo universo que é só seu quando você começa a tomar as suas próprias decisões de momento e toma a responsabilidade por sua própria vida.

 

Comente pelo facebook

2 comments

  1. Amei como você encarou o “morar sozinha”. Morro de vontade e de medo também. Penso em todas as dificuldades e até isso me empolga. Me vejo em um futuro não tão distante seguindo minha vida e cheio de perrengues, mas sendo muito feliz ♥

Deixe seu comentário!