O bullet journal e a sua saúde mental: um caso de amor verdadeiro

Desde que o bullet journal entrou na minha vida, eu tenho me dedicado a apresentar esse método de organização para o máximo de pessoas possíveis, seja mostrando o meu, seja escrevendo aqui no blog sobre ele 🙂

Aqui nós já falamos sobre o básico (o que é, como começar) e sobre como deixar o bujo o mais parecido com você possível sem precisar se esforçar muito pra isso.

Uma das coisas mais mágicas do bullet journal não é, entretanto, a possibilidade de organizar sua vida profissional ou estudantil, colocando suas tarefas numa disposição fácil de enxergar e se motivar cada vez que “tica” uma tarefa que você conseguiu completar, mas sim a possibilidade de organizar todas as áreas da sua vida, especialmente as que dizem respeito a sua saúde mental.

Então esse post da ~série~ tem 3 dicas e exemplos pra você construir seu bullet journal do bem.

1. Enriqueça seu habit-tracker

Um habit tracker é normalmente usado pra marcar coisas simples na primeira página de cada mês, como dinheiro gasto no dia, começos de ciclo menstrual, datas de pagamento importante, mas algumas pessoas usam para trackear outras coisas.

Essa página, por exemplo, tem caixinhas para a pessoa ticar quando fizer alguma coisa pra ela mesma, quando se sentir estressada com algo, ou quando se sentir com vários tipos de humor. A legenda em cada quadradinho é opcional, mas você pode por exemplo estabelecer que um triângulo se refere a um dia que você vai escrever melhor sobre na página seguinte:

Se sentiu irritada ou ansiosa com alguma coisa? Use algumas linhas para escrever porque você se sentiu assim e colocar esse sentimento pra fora. Entender melhor o que o causou e como você pode fazer com que isso pare um pouco de te afetar.

Mas às vezes a gente não consegue pensar em como colocar pra fora esses sentimento, então seguem algumas frases que você pode usar pra começar:

– Algo inesperado que aconteceu hoje foi…
– Eu não gosto de estar me sentindo (x) sobre (y) porque…
– Um pensamento incrível que eu tive hoje foi…
– O que eu gostaria de ter feito diferente hoje…
– Um pensamento que eu não consegui largar hoje foi…
– Uma pessoa que não sai da minha cabeça hoje é…
– Hoje eu me senti agradecida por…

2. Use seu BuJo para saber quantas horas por dia você tá dormindo

Dormir é muito importante, mas ao mesmo muito perigoso. Separar uma página por mês ou uma box por semana para registrar essas horas pode ser a diferença entre saber se você precisa de mais soninho pois está se sentindo muito cansada ou perceber que você está dormindo demais e precisar consultar um médico.

3. Faça umas listas de self-care, ~o seu próprio self-care~

A gente vive numa época da internet onde tudo é self-care e self-love, e nem sempre é. Eu não sei vocês, mas, embora eu me sinta extremamente relaxada com um longo banho, não é sempre que eu tenho paciência de programar esses horários só pra mim e acabo deixando pra lá.

Tudo isso pra dizer que: o que é self-care pra mim pode não ser self-care pra você, e às vezes a única coisa que você precisa pra se sentir bem não é necessariamente um banho relaxante mas sim duas horinhas assistindo um filme que você quer muito. Abra o catálogo da Netflix, puxe os DVDs escondidos pela sua casa e comece a lista:

É uma pessoa de livros? Porque não colocar isso no papel também? 🙂

Se presenteie com um (ou mais, quem queremos enganar?) episódio de série!

Fontes: Buzzfeed (1), (2), (3)

Comente pelo facebook

1 comment

Deixe seu comentário!