“O Rei do Show” entrega o que promete: uma celebração da humanidade

Uma das coisas mais incríveis que o cinema nos proporciona, de tempos em tempo, são musicais. De vez em quando somos abençoados com alguma obra incrível que celebra a vida e a música.

A última vez que nos sentimos assim foi com La La Land e sua visão direta e real sobre a vida, e, coincidentemente, Pasek and Paul, a dupla responsável por “musicar” a vida de Mia e Sebastian, nos conta a história de P. T. Barnum (Hugh Jackman), um showman conhecido por seu “show de variedades e curiosidades humanas”, em O Rei do Show.

“Variedade” é realmente a palavra que cerca esse filme, já que a diversidade está em todos os pequenos detalhes. Muito embora P.T. e sua mulher sejam brancos, e Philip Carlyle, interpretado por Zac Efron, também seja, o filme nos pinta um arco-íris de atores vindos dos mais diversos lugares.

O filme é uma celebração da humanidade e todas as suas cores, e sobre como você pode ser o mais diferente possível, mas que é isso que faz de você… bem, você.

Por mais que o objetivo do Barnum seja formar uma casa de curiosidade e vender a ideia de pessoas extraordinárias e ~anormais (no sentido fantástico da palavra e não necessariamente pejorativo), ele acaba sendo a pessoa que, durante boa parte do filme, acredita 100% no potencial dessas pessoas.

“Ninguém nunca fez a diferença por ser como todo mundo.”

Enquanto narrativa, o filme se perde em alguns aspectos e em cenas bem filmadas e de tirar o fôlego que acabam tirando a atenção de algumas falhas de roteiro. Levando em consideração, porém, o filme como o musical que ele é, eu saí do filme mais satisfeita do que confusa com esses furos na história, e meu coração definitivamente aquecido.

E, claro: Zac Efron de volta aos musicais é uma atração à parte! MEU HIGH SCHOOL MUSICAL TÁ MUITO VIVO.

Um bônus e uma coisa incrível de ver sobre esse filme são os behind the scenes, e eu destaco 3 vídeos maravilhosos e incríveis. No primeiro, a Keala cantando This Is Me na leitura do script que vai te deixar mergulhado em lágrimas (que mulher!).

Na mesma leitura de script, o Hugh Jackman canta From Now On mesmo sem poder (no dia anterior a esse, ele havia operado o nariz para retirar um tumor e o médico disse para ele não cantar). MAIS LÁGRIMAS.

E, por último, uma versão bem R&B da Zendaya para a música Rewrite the Stars, o dueto dela no filme com o Zac Efron.

Para ouvir a trilha sonora completinha, é só dar uma passadinha lá no Spotify:

O filme ainda está em cartaz em algumas salas de cinema, então se você ainda não viu, CORRE!

Comente pelo facebook

Deixe seu comentário!