O tempo das coisas e o tempo da gente

Foto: Felicia Brenning

Dia desses eu sumi. Deixei de responder as mensagens dos amigos e parentes queridos, larguei mão de coisas me faziam bem – inclusive e principalmente, escrever –, esqueci o cuidado próprio e a vontade de levantar da cama. Os dias ‘estavam difíceis’, e isso é o máximo que consigo explicar, mas estavam difíceis principalmente porque o tempo das coisas não era o meu tempo.

As coisas ao nosso redor, elas tem um tempo próprio. Quase consigo ouvir meu pai falando em eu tom de voz para conselhos sábios, porque é bem o tipo de coisa que ele sempre diz e eu nunca escuto – eu preciso sofrer um bocado e aprender na marra, para então me lembrar da voz dele e dos seus provérbios.

O tempo das coisas não é o nosso, elas começam e terminam por conta própria, caminhando no seu próprio ritmo. Tem coisas que não dá para acelerar ou frear, elas simplesmente seguem ali do jeito delas. Grande parte de toda a angústia era justamente porque não conseguia aceitar que a vida não estava saindo como o esperado e que não, certos problemas não iam se resolver naquele dia, ou no próximo. Sabe se lá quando isso tudo vai se resolver, na real. A gente só tem que saber que uma hora vai se resolver, porque o quando é uma incógnita.

Ficava repetindo que tudo ia se resolver até semana que vem, mas a semana veio e foi. E nada. E a ansiedade? Tudo: era ansiedade dos pés a cabeça, quase podia sentir o peso afundando no travesseiro ao dormir, os músculos repuxando de tão tensos, aquilo tudo me consumindo por dentro. Problemas que, no caso, não estavam sob meu controle. Tudo que podia já tinha sido feito e só restava esperar.

E eu sou uma pessoa que precisa do controle. Do planejamento. Do próximo passo. De repente, não tinha mais nada disso e foi difícil. Não vou mentir e falar que um belo dia acordei despreocupada e rodopiando por aí como se estivesse num comercial de perfume feminino, porque a bem da verdade os tais problemas não se resolveram. Ainda.

Mas estão a caminho de. E tudo tende a se ajeitar da melhor forma possível, né? É. Essa é outra das frases que meu pai gosta de falar naquele mesmo tom de voz de quem sabe das coisas, e talvez ele saiba mesmo. No fim das contas, as coisas realmente se ajeitam (ainda que não pareça) e fica sim tudo bem (ainda que o resultado não seja o esperado inicialmente). Não é ingenuidade ou clichê de autoajuda, é só lembrar quantas vezes tudo ficou bem mesmo depois da gente jurar de pé junto que não dava mais.

Dói um pouco (ou bastante) aprender a segurar as expectativas para que elas não se tornem angústia, mas o coração fica muito mais leve depois também. Se tem uma coisa que eu aprendi nessas últimas semanas é que a vida não é massinha de modelar para a gente amassar retorcer sempre, de modo que tudo caiba nas nossas necessidades.

A maior parte da nossa vida depende da gente tomar as rédeas e fazer acontecer, mas em outros casos, é o tempo das coisas que prevalece e é a gente que tem que entrar no ritmo delas. O tempo das coisas acontece na gente. E não para a gente.

E até isso pode ser bonito, se a gente souber aproveitar.

Comente pelo facebook

4 comments

  1. Daniela

    Tudo verdade!!! Tô passando por um momento assim e infelizmente fico sonhando em como tudo vai acontecer. E acabo q me prejudicando ao ver q minhas expectativas não se realizam do jeito q eu esperava. É muito difícil lidar com a ansiedade e pior ainda é não ter com quem conversar ou medo de confiar em alguém. Obg pelo post com certeza vai ajudar a muitas pessoas a ver q as coisas acontecem no tempo certo.

  2. Nossa Yasmin eu adoro seus textos e sinto que eles sempre aparecem por aqui no momento certo pra mim. Esses dias passei por uma situação que quebrou tudo o que eu estava planejando e agora não tenho um plano B. Mas é como você escreveu (e seu pai sabiamente falou) um dia as coisas se ajeitam. E eu realmente acredito que além de se ajeitarem, esses eventos aleatórios que não planejamos podem estar nos indicando algo, nos colocando no caminho certo.

  3. Mimis <3

    Que maravilha a forma como esse texto se encaixa no que estou vivendo agora
    (e que saudade das nossas conversas)

    Fico feliz por saber que, apesar dos percalços, as coisas estão bem por aí!
    E que seja leve, sempre <3

  4. Ah esses ansiosos que querem a vida pra ontem, e se frustram quando ela não acontece. Dói mesmo, mas tudo se ajeita <3
    Amei ler tudo isso nas suas palavras 🙂

Deixe seu comentário!