Questão de Tempo – Gente que tem segundas chances

Quem me conhece sabe que sou uma grande fã de viagens no tempo. Desde Martin McFly, Doctor Who até as teorias sobre Efeito Borboleta. O que mais me interessa nesse assunto é pensar na infinidade de possibilidades e universos diferentes que podem existir a partir de uma mínima escolha.

Sempre fui uma pessoa com sérios problemas para tomar decisões, desde as mais simples da vida – como um sabor de pizza ou se eu prefiro seguir caminho tal ao invés do outro. Pensar nas infinitas possibilidades que eu tenho e aquelas que eu perco após uma decisão é algo que deixa maluca. E se eu tivesse ido por ali e encontrado um amigo que não via faz um tempão? Se eu tivesse dito sim quando aquele cara me chamou pra sair mas eu decidi ficar em casa assistindo seriado?

E outra, vamos confessar aqui: quem nunca ficou repensando alguma conversa e, horas depois, sabia EXATAMENTE o que poderia ter dito? É, você não está sozinho nessa.

o amor e todas as suas possibilidades, com ou sem viagem no tempo <3
o amor e todas as suas possibilidades, com ou sem viagem no tempo <3

Quando ouvi falar do filme Questão de Tempo fiquei super curiosa: uma família cujos descendentes podem viajar no tempo e usam seus poderes para praticar boas ações e ajudar o mundo. E né, uma vez ou outra mudar algumas coisinhas na suas vidas pessoais porque ninguém é de ferro, rs.

esse é o Tim e o pai dele indo para mais uma viagem no tempo!
Tim e seu pai prontos para mais uma viagem no tempo!

Essa é a história do Tim Lake, um advogado jovem e um tanto quanto inseguro e desajeitado, ainda mais quando o assunto são as mulheres. Mas tudo muda quando Tim descobre que consegue reescrever alguns momentos da sua vida usando os poderes de sua família para conquistar uma menina incrível: Mary, interpretada pela fofa e maravilhosa Rachel McAdams.

Algumas coisas acontecem no meio caminho e Tim descobre que a viagem no tempo pode não ter tantas vantagens assim, e mudar tanto o destino de uma história pode ter consequências que ele nunca iria imaginar. Mas aí eu já posso estar contando demais, então é melhor parar por aqui e falar pra vocês assistirem o trailer:

E se você ainda não ficou com vontade de assistir (o que eu acho bem difícil já que estamos falando aqui de romance dos bons, comédia e VIAGENS NO TEMPO tudo no mesmo filme), o roteirista é o Richard Curtis, de “Simplesmente Amor”, “Quatro Casamentos e um Funeral” e o meu preferido de todos os tempos, “Um Lugar Chamado Notting Hill”.

Outra coisa legal: no site oficial do filme você pode participar de um memory map e compartilhar suas melhores lembranças, entra lá: http://www.questaodetempoofilme.com.br/

Ah, assistam e depois contem tudo aqui pra gente! 🙂

 

Chefs Especiais: gente que usa suas paixões para transformar pessoas

chefs1

É lindo ver gente que transforma suas paixões em ferramentas para unir pessoas. O prazer de cozinhar, por exemplo, moveu um casal a criar um projeto cheio de amor: “Cozinhar é transformar. Não são apenas os ingredientes que viram refeições: as pessoas também mudam muito nesse processo”.

No Instituto Chefs Especiais, cozinhar é a ponte entre pessoas incríveis e o mundo. Ele foi criado em 2006 pelo casal Simone e Maurício Berti e tem o objetivo de ensinar jovens com Síndrome de Down a cozinhar de maneira gratuita. Nas palavras de Simone Berti, “Cozinhar é uma atividade transformadora que dá autonomia aos alunos, além de fazer com que se sintam valorizados e capazes. Queríamos trabalhar com jovens com Síndrome de Down por ser uma área pouco explorada e, dessa forma, criamos um projeto pioneiro que oferece muitas oportunidades para os alunos”.

A sede do Instituto foi inaugurada recentemente em São Paulo e possui mais de 200 alunos – vários chefs renomados já foram voluntários do projeto! A lista de voluntários tem com nomes como Carlos Bertolazzi (Per Paolo, Zena Caffé), Olivier Anquier (apresentador do programa Diário do Olivier, exibido na GNT) e Rogério Shimura (Levain Escola de Panificação e Confeitaria)… Já pensou que delícia aprender com eles?

É mais que um trabalho: uma missão mesmo. Simone Berti, responsável pelo projeto, é advogada e jornalista, mas deixou o trabalho como consultora para se dedicar ao Instituto – e já viu alunos da curso brilharem fora do projeto também. Isso é o que motiva a gente. <3

Antes da sede existir, as aulas eram ministradas em espaços cedidos por pessoas que simpatizavam com o projeto e por parceiros. Os cursos e workshops poderão ter sua grade estendida agora que tem espaço próprio – um dos planos para 2014 é o desenvolvimento de um curso extensivo de alfabetização por meio da gastronomia, com duração de um ano.

chefs2

Cada aula conta com 15 alunos que, coordenados por voluntários, aprendem as receitas para assimilarem melhor autonomia, organização e atenção. As receitas ensinadas nas aulas continuarão sendo feitas com ingredientes simples e acessíveis, passíveis da reprodução em casa. Desde Novembro, a JBS – grupo dono das marcas Friboi, Swift e Seara – fez uma parceria com o projeto e fornecerá produtos e doações em dinheiro para o projeto. Foi por meio da JBS que descobrimos a existência do Instituto e nos apaixonamos.

Gostou e quer conhecer melhor? Confira o blog dos Chefs Especiais e descubra como doar ou ser voluntário!

chefs3 chefs4

Seja o que você quiser

<3
<3

Hoje acordei pensando numa música da Willow que (fiquei assustada) já completou um ano e meio: “I Am Me”, publicada em forma de videoclipe no canal da herdeira do Fresh Prince em julho do ano passado.

Na época, dezenas de especulações (inclusive maldosas) foram feitas pelo público. Nem me dei ao trabalho de ir procurar agora, que tudo esfriou, o resultado disso. Não me parece tão importante saber o que Willow passava e quis dizer com a música: hoje eu acordei pensando no que ela de fato disse.

E ela disse o que tenho repetido para mim mesma há bem mais de um ano: eu sou o que eu sou e cabe apenas a mim definir ou encontrar a minha verdade. O que os outros pensam não importa – porque eu não posso ser outra. É verdade que não é fácil aceitar isso o tempo inteiro, mas na maior parte dele é sim e torna tudo muito melhor. Às vezes a gente fica se torturando e quebrando a cabeça pra se encaixar em padrões que não tem nada a ver com a nossa vida… E não é justo. Simplesmente não é. Ninguém conhece o que a gente está passando, por mais sensível que seja. E ninguém é imune às pancadas e cicatrizes. Às vezes é preciso quebrar a cara sim sendo o que a gente quer ser e fazendo o que tem vontade pra poder descobrir o que realmente vale a pena.

Ninguém pode dizer o que você quer além de você mesmo. E pra descobrir você tem que se permitir. 🙂

Então fica aí minha mensagem de quinta-feira, nas palavras de Willow Smith:

Crie-se, refaça-se, renove-se
Seja você, faça o que tem de fazer
Levante a cabeça, tudo vai ficar bem
Você é você, eu sou eu, vamos viver em harmonia
Coexistam um com o outro, amem-se
Seja você mesmo
Você tem de ser você mesmo, seja verdadeiro, seja sincero
Porque ninguém tem tempo para isso.

Parece bem infantil, mas tem dias que a gente precisa ouvir isso: você é incrível como é. Aceite isso, faça o que tem de fazer e vai ficar tudo bem. 🙂

E, pra completar: aceite os outros também. Eles estão se descobrindo assim como você.

Não aceitar não te leva a lugar algum. (via)
Não aceitar não te leva a lugar algum. (via)